sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

OS TERAFINS

Ídolos do Lar

Os povos da antiguidade eram muito apegados com os terafins.
Quem tivesse a posse dos terafins, garantiria para si, a herança da família. Era como uma escritura de propriedade, uma garantia de herança. Era uma “documentação” importante em assuntos de partilha de bens. Além disso, de acordo com antigos códigos de leis sumerianos, os terafins eram uma espécie de certificado de propriedade que alguém precisava para firmar-se dono de uma terra. Caso os ídolos fossem parar nas mãos de outra pessoa, essa se tornava automaticamente a proprietária dos terrenos que eles demarcavam. Por serem pequenos, poderiam facilmente ser roubados e cabia ao dono o cuidado de guarda-los para não ser lesado. Os terafins eram queridos pelo povo para consulta: “Pois o rei de Babilônia está parado na encruzilhada, no princípio dos dois caminhos, para fazer adivinhações; ele sacode as flechas, consulta os terafins, atenta para o fígado” (Ezequiel 21:22 – Almeida Revisada Imprensa Bíblica).

UM CASO ESPECÍFICO: PENATES

Eram conhecidos entre os romanos e etruscos como penates (deuses protetores do lar).
Os penates eram “deuses” responsáveis pelo bem-estar e prosperidade das famílias.
O próprio nome penates vem da palavra penus (dispensa).
Os bens e a dispensa da família eram consagrados a ele.
Os chefes de família eram os sacerdotes dos penates de sua própria casa.
A eles eram oferecidas suas partes nas refeições diárias.
Cada família romana adorava dois penates e quando uma família viajava, transportava consigo os seus penates. Os penates não tinham nomes individuais, sendo conhecidos pelo nome genérico penates. Eles estavam associados aos Lares, outra espécie de divindade doméstica romana.
No altar doméstico, a imagem do Lar era colocada entre as imagens dos dois penates.
No final do Império Romano, os penates eram colocados atrás da porta de entrada da casa e uma vela ou lamparina ficava queimando diante das imagens.
Nas festividades especiais romanas, nos aniversários, casamentos e retornos seguros de viagens, as imagens recebiam coroas e lhes eram oferecidos bolos, mel, vinho, incenso e às vezes um porco.
Assim como as famílias, o Estado romano também tinha seus penates públicos.

Observação: Sabemos que tudo isso vai contra os mandamentos de Deus, por isso os Cristãos não usa isso como amuleto ou seja o que for. By Pr. Fernando.

FILACTÉRIOS "TEFILIN"

Sacerdote Judeu

    CURIOSIDADE JUDAICA

Deuteronômio 11:13-21

“13 Se diligentemente obedecerdes a meus mandamentos que hoje vos ordeno, de amar o Senhor, vosso Deus, e de o servir de todo o vosso coração e de toda a vossa alma,14 darei as chuvas da vossa terra a seu tempo, as primeiras e as últimas, para que recolhais o vosso cereal, e o vosso vinho, e o vosso azeite. 15 Darei erva no vosso campo aos vossos gados, e comereis e vos fartareis. 16 Guardai-vos não suceda que o vosso coração se engane, e vos desvieis, e sirvais a outros deuses, e vos prostreis perante eles; 17 que a ira do Senhor se acenda contra vós outros, e feche ele os céus, e não haja chuva, e a terra não dê a sua messe, e cedo sejais eliminados da boa terra que o Senhor vos dá. 18 Ponde, pois, estas minhas palavras no vosso coração e na vossa alma; atai-as por sinal na vossa mão, para que estejam por frontal entre os olhos.19 Ensinai-as a vossos filhos, falando delas assentados em vossa casa, e andando pelo caminho, e deitando-vos, e levantando-vos. 20 Escrevei-as nos umbrais de vossa casa e nas vossas portas, 21 para que se multipliquem os vossos dias e os dias de vossos filhos na terra que o Senhor, sob juramento, prometeu dar a vossos pais, e sejam tão numerosos como os dias do céu acima da terra.”


Em suma, os quatro parágrafos da Torá que se encontram nos pergaminhos dentro dos tefilin transmitem as seguintes mensagens:

*Shemá Israel - Proclama a unidade divina, base fundamental da fé judaica: descreve a ordem divina de colocar os Tefilin sobre a mão e sobre a cabeça. 

*Vehayá Im Shamoa - Expressa a promessa de Deus, sobre a recompensa esperada pela observância dos preceitos da Torá, e o aviso da retribuição pela desobediência aos mesmos. 

*Cadêsh Li - O dever de Israel sempre relembrar a redenção da escravidão no Egito. 

*Vehayá Ki Yeviachá - Recorda o dever que cada pai judeu tem de ensinar a seus filhos todos estes temas.

A prática de se colocar tefilin é um ritual criterioso, cheio de leis, normas e simbolismos com significados místicos típicos do judaísmo, onde o homem judeu religioso o faz com muita devoção, reverência e sentimento de identificação com as tradições e os valores judaicos.

Os tefilin são colocados no braço e sobre a cabeça a partir do momento em que o menino completa 13 anos de idade, seu bar-mitsvá significando que deve viver conforme as leis e costumes de Israel. É costume iniciá-lo na prática de colocar os tefilin algumas semanas antes da data exata de seu aniversário. Pelo costume Chabad inicia-se a colocação dos tefilin exatamente dois meses antes do 13º aniversário (de acordo com o calendário hebraico). Depois de praticar um mês sem pronunciar a bênção, começa-se a recitá-la.