sábado, 30 de maio de 2015

ODRE "Mateus 9:17"

O modo comum de se fazer um odre era abater um animal, decepar-lhe a cabeça e as patas, e então retirá-lo cuidadosamente do couro, de um modo que fosse desnecessário abrir a barriga do animal. O couro era então curtido, e depois todas as aberturas, exceto uma, eram costuradas. O pescoço, ou talvez uma das pernas, ficava sem costura e servia de abertura que podia ser tampada com uma rolha ou um cordão. Os couros de ovelha, de cabrito, e às vezes de boi, eram utilizados com tal objetivo, e, em alguns casos, deixavam-se os pelos nas peles usadas como recipientes para leite, manteiga, queijo e água. No entanto, era necessário um processo mais cabal de curtição quando os odres se destinavam a guardar azeite ou vinho. Até mesmo em épocas mais recentes, têm-se fabricado muitos odres dessa mesma forma, no Oriente Médio. Quando os odres para água não são curtidos, transmitem um sabor desagradável à água conservada neles.

Ao despedir Agar, Abraão equipou-a com um “odre [hebr.: hhé•meth]”. (Gên 21:14, 15, 19) Os gibeonitas disseram a Josué: “Estes são odres de vinho [hebr.: noʼ•dhóhth] que enchemos quando novos, e eis que rebentaram.” (Jos 9:13) Tal coisa poderia acontecer com o tempo, devido à crescente pressão resultante da fermentação ativa do vinho. Eliú disse: “Eis que meu ventre é como o vinho sem respiradouro; como odres novos [hebr.: ʼo•vóhth], quer rebentar.” (Jó 32:19) Em geral, porém, os odres novos de vinho suportavam a pressão interna resultante da fermentação ativa do vinho. Todavia, velhos odres de vinho ficavam com o tempo endurecidos e perdiam a elasticidade, de modo que tendiam a rebentar. Por isso, Jesus Cristo disse apropriadamente: “Tampouco se põe vinho novo em odres velhos; mas, caso o façam, então os odres rebentarão e o vinho se derramará, e os odres ficarão arruinados. Mas, põe-se vinho novo em odres novos, e ambas as coisas ficam preservadas.” — Mt 9:17.Davi, fugitivo assediado por inimigos, referiu-se de forma figurada ao odre, dizendo: “Põe deveras as minhas lágrimas no teu odre.”
Odre ressecado 
(Sal 56:8) Com isso, Davi pedia a Deus, em quem depositava sua confiança, que colocasse suas lágrimas num odre, por assim dizer, para que se lembrasse delas. Provavelmente bolsas de pele cheias de vinho eram às vezes penduradas num local em que podiam ser defumadas, de modo a protegê-las dos insetos, ou para que o vinho adquirisse rapidamente certas propriedades desejadas. Por outro lado, quando não estavam em uso, os odres talvez fossem pendurados num aposento sem chaminé, e assim ficavam enegrecidos pela fumaça do fogo ali aceso. Tais odres de vinho logo perdiam sua elasticidade e se enrugavam. Foi talvez pensando nisso que o salmista, assolado por tribulações, disse: “Pois, tornei-me como um odre na fumaça.”
ODRES MODERNOS



FONTE:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Odre